domingo, 5 de abril de 2009

Eu e a minha vida amorosa ( ou... a falta dela)

Ontem lá tive a saida das meninas e acabámos por ir ao cinema ver " He's just not that into you". E dei por mim a pensar na minha vida sentimental ( ou na falta dela) e no quão deprimentes e divertidos têm sido estes dois anos. Passados dois anos do final da relação que mais me marcou, por ser a primeira, por ser a mais longa ( foram quase 5 anos da minha vida), eu mudei. Das minhas amigas, sempre fui catalogada como a mais romântica e a que, segundo elas, casaria e teria filhos mais cedo. Sempre fui aquela que preparava as surpresas mais mirabolantes para o seu mais-que-tudo, que se metia nas situações mais hilariantes nos encontros amorosos e que passava os dias a sonhar alto ou som de músicas românticas. Foi a fase das paixões platónicas. Eram tão simples. Lá ao longe. Depois assentei, concretizei, amei, dei tudo o que tinha e o que não tinha. Porque tem que ser assim para se crescer, para se perceber que as relações são feitas de equilibrio e não de excessos. Depois fiquei sozinha e percebi que sou uma óptima companhia de mim mesma. E os encontros sucedem-se. Pessoas muito interessantes, outras nem por isso. Já tive daqueles encontros apaixonantes e daqueles em que tive que telefonar a alguém para me salvar. Já me fartei de rir e já vim triste para casa. Já passei horas a olhar para um telefone e ele não tocar, já me telefonaram e já respondi uma semana depois. E esmiuço as pessoas e os defeitos, e estou sempre um passo à frente nas palavras e nos gestos. É também tão mais fácil assim. E ontem estava a pensar que isto é paranóico da minha parte. Porque continuo a sonhar, mas cada vez menos. E corto todas as possibilidades que tenho de me surpreender com a vida. E são processos tão inconscientes que quando penso já fiz. E assim sou acusada de dar tampas e de ser insensível. E é verdade. E não é verdade. Só tenho receio de voltar a amar, de tudo encaixar, de estar tão perto e depois tudo se desvanecer.
Conclusão: as filmes românticos para mim são tudo menos light. Além de me fazerem chorar, põem-me a pensar. Exactamente o efeito contrário do que para que são prescritos. E ainda sou ridicularizada pela lágrima fácil. Dam it. Não me apanham numa destas tão cedo.

video

13 wake ups:

Mimo Azul 5 de abril de 2009 às 16:59  

e o filme... gostaste do filme? Já li por ai que não era nada de especial...

bjcaaaaaaa

Cão(somente) 5 de abril de 2009 às 17:15  

A vida é feita de encontros e desencontros... pensar é a ginástica do cérebro.
Vê lá, não penses demais que ainda ficas com o cérebro tão grande que não te cabe na "caixa".

Beijinho.

Nuno 5 de abril de 2009 às 19:39  

Eu gosto é da tua selecção musical. Essa música de Michael Bolton é tão bonita!

Beijinho,
Nuno.

Shakti 5 de abril de 2009 às 20:41  

Deixa lá...eu ando sempre com a lágrima no canto do olho como diz o meu marido ...emociono-me por tudo e por nada...em filmes nem se fala !!!

bj

Antonio Valerio, sj 5 de abril de 2009 às 21:06  

=) es mesmo engraçada! tens um coração bonito... beijinhos ;)

Cor do Sol 6 de abril de 2009 às 01:30  

Também vi o filme e pensei que umas vezes esperamos que o tlm toque, outras somos nós que não telefonamos. Nunca fui muito romantica, mas de à uns anos para cá estou cada vez mais cautelosa e acho mesmo que penso demais. P truque é não pensar. Quem ensina? :)

Beijinho

Lobinho 6 de abril de 2009 às 08:58  

Saber de experiência, feito, Su.

Mas vais ganhando anticorpos, é o que interessa. Da dor nascem roseirais, e dos espinhos rosas.

A dor nao se mede. beijinhos para te alegrares e serees feliz assim... até um dia...

_Malinha viajante 6 de abril de 2009 às 10:55  

Tb quero ver esse filme, gostaste??
Su tens lá uns selinhos para ti uns posta abaixos (os tal em atraso...hihihi)
mts bjssss
_malinha

Luis Bento 6 de abril de 2009 às 15:04  

há alturas que temos que nos deixar levar...simplesmente...

Carlos Barbosa de Oliveira 6 de abril de 2009 às 23:33  

São essas experiências que nos vã moldando, tornando mais frios e cerebrais e nos tiram o encantamento. Amadurecer, ser adulto, bem vistas as coisas, até não tem muita piada. Gostava do tempo em que era ingénuo, acreditava no amor e na felicidade eterna. A vida vai-nos tirando tudo aos poucos. É certo que nos dá outras coisas em troca, mas nem sempre compensam os tempos em que fomos ingénua, mas sinceramente felizes.

luminary 7 de abril de 2009 às 16:27  

Se deixas de acreditar nessas coisas do romance, quem é que cá fica para equilibrar o mundo, com tantos azedos como eu? Essa centelha ainda mexe dentro de ti, e ambos sabemos bem disso :)

Paulo Dâmaso 8 de abril de 2009 às 00:44  

Uma menina tão bonita e sem vida amorosa? Ai meus deus , estes homens andam cegos!...

Anónimo 13 de abril de 2009 às 20:28  

O mundo está carente de pessoas como tu .... "absolutamente humanas"

Lembra-te que

Ter fé é acreditar naquilo que não vês! A recompensa por essa fé é veres aquilo em que acreditas.

Acredita SEMPRE no Amor :)

Miss You Angel

Su's sounds

Este blog contém posts e comentários.

Se me quiseres contactar:


Nome:

E-Mail:

Assunto:

Mensagem:



Veja mais: Ferramentas Blog | By FormularioPRO

Wake Up clock

Su on Twitter

    follow me on Twitter

    And the winner is... Little Susie

    And the winner is... Little Susie
    da Mimo Azul

    um mimo da Miepeee

    Orgulhosamente recebido da Tecnenfermaginando, do Mimo Azul e da Malinha Viajante

    mais um miminho da Miepee... um daqueles!

    Contador

    Wake up Little Susie 2008 © Blog Design 'Felicidade' por EMPORIUM DIGITAL 2008

    Back to TOP